TOMO II

 

A Ternura

Prado Veppo

 

                                  

                                      Quem foi que pôs  o teu rosto

                                      Na noite da minha alegria?

                                      Será que o vento foi cúmplice

                                      E alguma estrela sabia?

                                       

                                      Que foi que te fez luar

                                      De minha vida obscura?

                                      Será que trazes contigo

                                      A necessária ternura?

                                       

  

 

   

 

 

 

ANTES DO PONTO FINAL

 

Afonso Azevedo

 

        

       A PÁGINA DA VIDA SE ABRE, QUANDO SE ABREM DO

       BAR AS PORTAS, POR LINHAS RETAS OU TORTAS, UM

       APÓS OUTRO VÃO CHEGANDO, E NO ACONCHEGO DE

       UM RECANTO ABREM TAMBÉM SUAS ALMAS

 

       CUMPRIMENTOS, MÃOS ESTENDIDAS, DISSIPAM

       INTERROGAÇÕES, CONFIDÊNCIAS, CONCLUSÕES,

       COMPARTINDO DO MESMO VINHO, QUEM ERA

       ESTRANHO, AGORA VIZINHO, IDENTIFICAM SEUS SINAIS

 

       À CHEGADA DE MAIS UM, UM TRAVESSÃO EM PARTE,

       TRAZ EXCLAMAÇÃO QUE DESTARTE, DESCOBRE O

       DESCONHECIDO, E DO ASSUNTO IMBUÍDO ENTABULA

       NA CONVERSA

 

       VOZ E BRAÇO PARA O ALTO, PONTO E VÍRGULA DE

       ATENÇÃO, APONTA RUMA AO BALCÃO, MAIS UM GOLE É

       O PEDIDO, PRA QUE A PROSA ENTRE AMIGOS NÃO SE

       PERCA NO SILÊNCIO

 

       QUANDO CHEGA O GARÇOM, O ASSUNTO FAZ DOIS

       PONTOS, E O ZUNZUM QUE REBATIA NOS CANTOS,

       PARECE ATÉ DAR UMA TRÉGUA, TAL QUAL SE PASSASSE

       UMA RÉGUA, PRÁ  IMPORTÂNCIA DO SERVIR

 

       O ADEUS É UMA VÍRGULA PRA QUEM ESTÁ DE SAÍDA,

       NA PAUSA PRA DESPEDIDA, ENTREPARÊNTESES, AOS

       PRESENTES SAÚDA, DIZENDO QUE LOGO MADRUGA E O

       ASSUNTO SEGUE SEU RUMO

 

       ENTRE ASPAS FICA O INSTANTE, UM MOMENTO NA

       PORFIA, AMANHÃ É MAIS UM DIA PENSAM TODOS, CADA

       QUAL, MAS ANTES DO PONTO FINAL, SEMPRE HAVERÁ

       O PONTO DE CINEMA.

                                      

 

 

  LIVROS DO BAR   |  TOMO I   

 

 

 

Página Inicial | Quem Somos Imagens Livros do barFuncionamentoMúsica ao vivoCardápioEnvie e-mail